Crítica: The Runaways

Ano pas­sa­do sur­gi­ram alguns rumores a respeito o filme sobre The Run­aways (The Run­aways, EUA, 2010) uma ban­da que era for­ma­da ape­nas por mul­heres que foi um enorme suces­so nos anos 70. A ban­da teve uma ráp­i­da pas­sagem pela indús­tria da músi­ca, mas deixou sua mar­ca. Fiz­er­am shows no Japão com pouco tem­po de existên­cia, além de terem apare­ci­do em diver­sas capas de revis­tas. Cada uma das inte­grantes con­tin­u­ou a car­reira em meio a músi­ca, mas talvez a mais bem suce­di­da ten­ha sido Joan Jett, que até hoje faz mil­hares de shows e lança óti­mos dis­cos.

Alguns meses depois foram divul­gadas fotos do set e a notí­cia se espal­hou: The Run­aways real­mente esta­va sendo roda­do. A direção ficou a car­go de Flo­ria Sigis­mon­di. Nasci­da na Itália e rad­i­ca­da no Canadá, a artista é bas­tante con­heci­da por ter dirigi­do video­clipes de Mar­i­lyn Man­son, Incubus, Christi­na Aguil­era, David Bowie, The White Stripes e out­ros. Assim como seus clipes, seu tra­bal­ho fotográ­fi­co mostra um lado mór­bido da arte, com idéias pouco con­ven­cionais. Quem esta­va famil­iar­iza­do com sua obra, esper­a­va algo do tipo para o filme. Mas isso não acon­te­ceu. Teria pas­sa­do o tra­bal­ho de Flo­ria por uma cen­sura?

The Run­aways se ini­cia mostran­do um pouco de Joan e Cherie antes das Run­aways, como eram suas vidas, como se encon­traram e o primeiro ensaio delas. O começo empol­ga, mas depois de algum tem­po cai na “mesmisse”. O foco está todo em Joan e Cherie, deixan­do Sandy e Lita de lado. Out­ro pon­to neg­a­ti­vo é que a baix­ista Jack­ie não aparece, em seu lugar está Robin, uma per­son­agem fic­tí­cia. Para quem con­hece a história da ban­da, é decep­cio­nante.

As pro­tag­o­nistas são Dako­ta Fan­ning como Cherie Cur­rie e Kirsten Stew­art como Joan Jett. Muito se falou da atu­ação de Kirsten, que ela pode­ria estra­gar o filme, mas não foi isso que acon­te­ceu. Há quem torça o nar­iz para ela por causa de sua atu­ação na saga “Crepús­cu­lo” mas Kirsten real­mente atu­ou bem em The Run­aways. O mes­mo não acon­te­ceu com Dako­ta Fan­ning. Filmes como Uma lição de amor e O ami­go ocul­to fiz­er­am de Dako­ta a nova promes­sa para o cin­e­ma con­tem­porâ­neo e todos esper­avam uma atu­ação bril­hante na pele de Cherie Cur­rie, mas ela não con­venceu. Sua per­son­agem pare­ceu força­da, sem bril­ho e ofus­ca­da por Kirsten.

A tril­ha sono­ra do The Run­aways é o pon­to alto do filme com: Bowie, The Stooges e as próprias Run­aways. Em deter­mi­na­da cena, temos Dako­ta Fan­ning inter­pre­tan­do “Cher­ry Bomb”, o maior suces­so da ban­da. A fotografia tam­bém é muito inter­es­sante, com jogos de luzes acom­pan­hados de óti­mas músi­cas deix­am o filme muito belo e impac­tante. Antes dos crédi­tos apare­cem pequenos tex­tos con­tan­do o que Joan, Cherie e o pro­du­tor da ban­da, Fow­ley fazem nos dias de hoje, mas não citaram o falec­i­men­to de Sandy West, o que pode ser desre­speitoso aos olhos de alguns fãs.

The Run­aways deve agradar a muitos, mas decep­cionará os fãs da ban­da. Ele não é um filme ruim, ape­nas super­fi­cial e irreg­u­lar demais. Ape­sar de algu­mas cenas serem óti­mas e diver­tidas, são desnecessárias. Em tem­pos de filmes como I Walk the Line, sobre John­ny Cash e Con­trol, sobre o Ian Cur­tis do Joy Divi­sion, esper­a­va-se um pouco mais dessa video­bi­ografia. Vamos ver o que Flo­ria Sigis­mon­di nos trará em suas novas exper­iên­cias com o cin­e­ma.


Todas as informações e opiniões publicadas no interrogAção não representam necessariamente a opinião do portal, e são de total responsabilidade dos seus respectivos autores.
 
Este post foi publicado emCinema, Críticas e tags , , , , , , , , . Bookmark o permalink. Comentar ou deixar um trackback:Trackback URL.


Comentários

  1. avatar Átila disse:

    Bom, eu esper­a­va MUITO MAIS

Dossiê Daniel Piza
Spirallab