Tudo é Remix – Parte 2

A crítica em cima dos mashups, remixes e colagens em geral dos canais de vídeo como Youtube e Vimeo é ferrenha. O questionamento em torno dos direitos autorais sobre as produções de imagens é até superior à produção musical, como é visto em Tudo é Remix – Parte 1.

A sensação mais recorrente ao sair de uma sala de cinema nos últimos tempos é de que aquilo já foi visto antes, que há muitas referências presentes e as vezes, elas se apresentam em demasia. Não por acaso, Tudo é Remix – Parte 2 inicia com o foco no enorme número atual de sequências, remakes, adaptações e etc., mostrando que mesmo sem querer a indústria cinematográfica é o segmento que mais alimenta o conceito de remix.

O ponto mais bacana abordado em Tudo é Remix – Parte 2 é justamente os argumentos utilizados em favor do uso de referências na qualidade das produções. Quentin Tarantino talvez seja hoje o diretor que mais abusa da técnica de juntar suas próprias preferências e organiza-las em um argumento. Exemplo disso são os trabalhos com Robert Rodriguez, sempre fazendo referência ao cinema exploitation dos anos 70, e o duo Kill Bill com características que vão desde as artes marciais e Bruce Lee até os filmes westerns americanos.

O idealizador do projeto Tudo é Remix, o canadense Kirby Ferguson, disponibiliza todas as referências utilizadas – vídeos, imagens, sons e etc – no site do projeto. Ele está no processo de criação de uma terceira parte que irá se focar de como um trabalho original depende da combinação de referências. O projeto é alimentado de doações e mesmo não sendo nenhuma grande revolução é mais um documentário que reforça a velha premissa de que nada se cria, tudo se copia.

Everything is a Remix [legendado] from Marcelo De Franceschi on Vimeo.


Todas as informações e opiniões publicadas no interrogAção não representam necessariamente a opinião do portal, e são de total responsabilidade dos seus respectivos autores.
 
Este post foi publicado emCurta do Mês e tags , , , , , , , , . Bookmark o permalink. Comentar ou deixar um trackback:Trackback URL.


Comentar

Seu email nunca será publicado ou distribuído. Campos obrigatórios estão marcados com *

*
*

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Spirallab