Entrevista: Pryscila Vieira

Neste Dia Inter­na­cional da Mul­her, nada mel­hor do que uma entre­vista com a curitibana, ilustrado­ra, design­er e car­tunista, Pryscila Vieira. Apaixon­a­da por humor grá­fi­co, Pryscila é cri­ado­ra da per­son­agem Ame­ly, a cati­vante boneca infláv­el que aparece toda terça-feira no jor­nal Fol­ha de São Paulo.

Pryscila começou cedo sua car­reira pouco comum entre as mul­heres. Aos 14 anos já era char­gista de um jor­nal de Curiti­ba. Em 1996 ingres­sou na fac­ul­dade de Design da PUC-PR, con­cluin­do o cur­so em 1999.

Gan­hou o primeiro lugar no Salão de Humor Uni­ver­sitário de Piraci­ca­ba, bem como nos dois anos seguintes. Em 1998 coor­de­nou a Bien­al de Humor do Mer­co­sul, com os prin­ci­pais nomes do humor grá­fi­co. Esta exposição itin­er­ante pas­sou pelas prin­ci­pais cidades do Brasil, Paraguai e Argenti­na. Na sequên­cia, ilus­trou as pági­nas da Gaze­ta do Povo, onde per­maneceu durante qua­tro anos. Atual­mente, torce para que os leitores não façam con­tas com datas citadas a fim de desco­brir sua idade, não rev­e­la­da nem com tor­tu­osas cóce­gas nos pés.

Con­fi­ra abaixo a entre­vista com a car­tunista que com­ple­ta esse ano, duas décadas de car­reira.

Como e quan­do começou o seu envolvi­men­to com o desen­ho?

Ten­ho uma história comum entre vários car­tunistas: desen­ho des­de cri­anc­in­ha. E con­tin­uo com idade men­tal de 10 anos. Só que eu desen­ha­va mel­hor aos dez anos… Eu acho. Meus famil­iares ado­ravam que eu desen­has­se quan­do cri­ança, porque assim fica­va “qui­eta”. Min­ha mãe olha­va para meus desen­hos e acha­va tudo lin­do. Meu pai ao con­trário, sem­pre acha­va um defeito. Por causa da min­ha mãe me acha­va o máx­i­mo, mas ia logo cair na real com a críti­ca con­tun­dente de meu pai.
A par­tir do momen­to que quis seguir car­reira profis­sion­al, ficaram pre­ocu­pa­dos com meu futuro. Não tin­ham sequer ideia das infini­tas pos­si­bil­i­dades que um desen­hista pode optar ao lon­go de sua car­reira. Na ver­dade, nem eu tin­ha. Segui instin­tos.

Gostaria que falasse um pouco do seu cotid­i­ano como car­tunista. Como fun­ciona o ”proces­so de cri­ação” das tir­in­has, ideias novas, inspiração,etc.

Gos­to de saber sobre o com­por­ta­men­to humano. Faço isso com análise críti­ca e muitas vezes impiedosa. É dev­er do car­tunista ter um pon­to de vista difer­en­ci­a­do de qual­quer out­ra pes­soa e expressá-lo de maneira con­tun­dente, mas sutil. Difí­cil é encon­trar a dose exa­ta de impiedade e del­i­cadeza.
Já o tra­bal­ho de exe­cução não tem glam­our nen­hum. É a entre­ga de um pro­du­to todos os dias. Se eu ten­ho que man­dar uma tir­in­ha diária para um jor­nal até as seis da tarde, bas­ta pen­sar, desen­har e enviar. Não tem aque­la luz div­ina, não tem momen­to de inspi­ração, não tem estre­lin­has tilin­tan­do ao redor de quem cria.
Faz­er tir­in­ha baseia-se em ter a per­son­al­i­dade de um amigu­in­ho imag­inário no seu con­t­role. A par­tir daí é só deitar por cin­co min­u­tos, fechar o tex­to e ir para o com­puta­dor. Às vezes esbar­ro na preguiça e fecho os olhos por mais umas horas. Mas juro que é sem quer­er.

Na sua opinião, quais os prob­le­mas enfrenta­dos para pub­li­cação de quadrin­hos em Curiti­ba?

Curiti­ba é um celeiro de novos tal­en­tos nos quadrin­hos, prin­ci­pal­mente os de humor. Mas mes­mo assim, ain­da é val­i­da a pre­mis­sa de que ‘san­to de casa não faz mila­gre’ então, deve-se pub­licar fora de Curiti­ba, para ser val­oriza­do em Curiti­ba.
Mas os órgãos vitais de pro­dução cul­tur­al ain­da estão basea­d­os em São Paulo e no Rio de Janeiro. Qual­quer autor que queira pub­licar e faz­er suces­so deve avaliar a pos­si­bil­i­dade de pub­li­cação nesse eixo.
Em 2011 Curiti­ba pas­sou a inve­stir mais nos quadrin­hos, orga­ni­zan­do um dos mel­hores even­tos da área, que foi a Gibi­con. Um suces­so! E em 2012 tem mais. Isso acabou um pouco com aque­la sen­sação de que a cidade pega­va carona no suces­so avali­a­do e garan­ti­do por ‘men­tores cul­tur­ais’ de SP e RJ. Temos novos tal­en­tos e com a Gibi­con, podemos pro­jetá-los.

O que você acha do repertório nacional de quadrin­hos?

Pos­so avaliar ape­nas os quadrin­hos de humor. E gos­to da pro­dução nacional deles. Só acho que os car­tunistas têm que fugir da for­ma enlata­da de desen­har. Para isso, devem procu­rar meios mais cria­tivos de exe­cução do desen­ho, que não seja ape­nas usar os mod­os bási­cos do Pho­to­shop. Acho que deve haver uma redescober­ta do tra­bal­ho grá­fi­co do car­tunista. Todos os desen­hos têm me pare­ci­do iguais. Com os adven­tos da inter­net, muitos procu­ram inspi­ração fácil, o que tor­na a pro­dução visual­mente repet­i­ti­va e ente­di­ante.
Já os roteiros estão cada vez mel­hores, mais ágeis, talvez por con­ta tam­bém da inter­net e da dis­sem­i­nação do humor por pro­gra­mas de TV e pop­u­lar­iza­ção de shows stand up com­e­dy.

Para você, qual a mar­ca do seu tra­bal­ho que a difer­en­cia de out­ros (as) car­tunistas?

Acho que vem da cri­ação de um per­son­agem que deve man­ter um dis­cur­so uni­forme. O per­son­agem é inigualáv­el, úni­co. Eu cor­ro o risco de ter um dis­cur­so coin­ci­dente com out­ro profis­sion­al de humor, se não estiv­er anco­ra­da num per­son­agem. Se tiv­er, a pia­da pas­sa a ser dele e não mais de uso comum. O per­son­agem é que faz o car­tunista, não o con­trário.

Quais as influên­cias (car­tunistas, quadrin­istas, char­gis­tas, etc) no seu tra­bal­ho? Tem admi­ração por algum profis­sion­al em espe­cial?

Gos­to da obra de muitos car­tunistas. Mas se for para ir para uma ilha deser­ta com um car­tunista (a obra!) seria o Ziral­do, dono do esti­lo de comu­ni­cação mais flu­i­do que con­heço. Fala com cri­ança, com adul­to, com idoso, com todo mun­do com a mes­ma maes­tria. Seus desen­hos estu­pen­dos são a per­son­ifi­cação de suas ideias fina­mente arquite­tadas com equi­líbrio cal­cu­la­do entre razão e a mais doce inteligên­cia emo­cional. Diz­er que Ziral­do é um car­tunista, um escritor, um artista… isso tudo seria lim­i­tar um dos maiores cri­adores de nos­so tem­po a um sim­ples desígnio do que insu­fi­cientes palavras alcançam. Amém.

Quan­do e como você começou a perce­ber a sua predileção pelo humor grá­fi­co?

É tão intrínseco ao meu ser, que sequer con­si­go pon­tu­ar o iní­cio. Talvez meu líqui­do amnióti­co ten­ha sido nan­quim.

Como surgiu a ideia de cri­ar a tir­in­ha Ame­ly? Fale um pouco da per­son­agem.

Ame­ly é uma boneca infláv­el que foi bati­za­da sob esta graça por con­ta do sam­ba de Mário Lago inti­t­u­la­do “Ai que saudades da Amélia”. A tal Amélia deix­a­va saudades por ser uma mul­her de ver­dade, ou seja, um exem­p­lo de res­ig­nação fem­i­ni­na. Só que Ame­ly destrói o mito de que a “mul­her de ver­dade” deve se anu­lar em prol do seu par­ceiro. Ame­ly chega por encomen­da à casa de seu com­prador com dois grandes e irre­ver­síveis “defeitos de fab­ri­cação” segun­do o pub­li­co mas­culi­no: o primeiro é que ela pen­sa. O segun­do defeito é que ela fala… e muito!Isto a transpõe do pata­mar de “mul­her infláv­el” para o de “mul­her infalív­el”.

Ame­ly tor­na-se “a mul­her de ver­dade”. Adquire von­tade, ini­cia­ti­va e inde­pendên­cia ape­sar de seus “pro­pri­etários” não esper­arem nada dela além do que um obje­to sex­u­al pro­por­ciona. Os quadrin­hos da Ame­ly tratam dos sen­ti­men­tos e pen­sa­men­tos de alguém que não esper­amos que os ten­ha, muito menos que os expresse tão vee­mente­mente. Infe­liz­mente no mun­do machista que vive­mos, algu­mas mul­heres ain­da se deparam com situ­ações semel­hantes na sociedade e no mer­ca­do de tra­bal­ho.

Além de Ame­ly, ain­da há out­ro per­son­agem nas tir­in­has, que inter­pre­ta o com­prador da boneca. Ele resolve adquirir uma mul­her infláv­el exata­mente porque desis­tiu de ten­tar com­preen­der as mul­heres de ver­dade. O com­prador tem a esper­ança de que Ame­ly será uma mul­her per­fei­ta, vis­to que não tem von­tade própria, logo não ten­tará jul­gá-lo. E tudo isso por um preço módi­co! Mas a solução per­fei­ta para sua crise dura pouco. Para seu deses­pero, Ame­ly recusa-se a ser um mero obje­to sex­u­al. Ela quer ser seduzi­da, quer pre­lim­inares, atenção, amor e car­in­ho como toda mul­her, afi­nal ela é uma mul­her de ver­dade.

Ame­ly foi cri­a­da despre­ten­siosa­mente no natal de 2005, para ser pub­li­ca­da ape­nas no site de sua cri­ado­ra, a Pryscila. Mas a tal boneca agradou tan­to que começou a rece­ber con­vites, foi sele­ciona­da em con­cur­sos de humor grá­fi­co (Salão Car­i­o­ca, con­cur­so da Fol­ha de São Paulo) e hoje tam­bém é pub­li­ca­da diari­a­mente na maior rede de jor­nais do plan­e­ta, o grupo Metro Inter­na­cional. Tam­bém foi con­vi­da­da para várias exposições de quadrin­hos no mun­do todo (Peru, Espan­ha, Gré­cia, Colôm­bia) que tratam do uni­ver­so fem­i­ni­no e da luta pelos dire­itos iguais da mul­her, emb­o­ra Ame­ly defen­da exata­mente o con­trário: os dire­itos desiguais da mul­her.

Para quem está começan­do ago­ra a se envolver com o desen­ho, qual a dica que você daria?

O primeiro con­sel­ho é: não dar con­sel­hos. Mas se for para sug­erir algo gener­i­ca­mente útil, acon­sel­ho que tra­bal­hem a estru­tu­ra bási­ca. Que leiam MUITO, que incansavel­mente aper­feiçoem-se na redação, no tex­to, no con­tex­to e que se esmerem na arte do desen­ho. Isso tudo nun­ca é demais. E quan­do sen­tir que o tra­bal­ho está com ess­es que­si­tos em equi­líbrio, exis­tem infini­tas pos­si­bil­i­dades de pro­jetá-lo. A inter­net é uma delas. Con­cur­sos de humor grá­fi­co, out­ra. Mas aí, o des­ti­no é uma fol­ha em bran­co que vai ser rabis­ca­da ou desen­ha­da com litros de nan­quim e suor.


Todas as informações e opiniões publicadas no interrogAção não representam necessariamente a opinião do portal, e são de total responsabilidade dos seus respectivos autores.
 
Este post foi publicado emEntrevistas, HQs e tags , , , , , , , , . Bookmark o permalink. Comentar ou deixar um trackback:Trackback URL.


Comentários

  1. avatar André Liberal disse:

    Muito doi­do!!!! Acho ele muito bom car­tunista, um dos mel­hores do Brasilzão!

Spirallab