Crítica: A Era do Gelo 4

A franquia da animação A Era do Gelo completa dez anos em 2012 e traz às telas o quarto filme do grupo de animais pré-históricos, que se tornaram ícones tanto em técnica de animação como em roteiros divertidos para crianças e adultos. Dessa vez Manny, Sid, Diego e cia. estabelecidos numa região sofrem com uma nova transformação da geografia terrestre. A formação dos continentes é o plano de fundo para que Manny estabeleça uma melhor relação com a filha adolescente, Sid aprenda a lidar com sua avó e Diego possa se apaixonar. Tudo isso com aventuras a la Piratas do Caribe, com navios de icebergs e um macaco vilão que é capitão-pirata.

Aparentemente interessante, a quarta sequência vem com um esgotamento narrativo tornando a animação um tanto quanto apática e repetitiva quanto as piadas, personagens e algumas escolhas fortemente influenciadas por outros filmes e animações, como a franquia Madagascar. Diferentente dos animais do zoológico Novaiorquino, que arrancam risadas mesmo quando estão passando uma mensagem, os personagens de Era do Gelo 4 (Ice Age: Continental Drift, EUA, 2012) se focam demais em serem bonzinhos e menos na aventura e diversão. Além disso, boa parte das cenas de ação são usadas apenas para justificar um ou outro elemento 3D. Somente o esquilo Scrat se salva, que sempre em busca da noz fantástica, consegue arrancar risadas da sua obsessão que acaba resultando em eventos fatais na formação de continentes e oceanos.

A animação sai antes no Brasil e está prevista para o dia 13 de julho nos EUA. Segundo informações oficiais, é uma estratégia para privilegiar o mercado estrangeiro, mas há quem diga que a decisão tem mais a ver com a pirataria costumeiramente feita nos cinemas. Mas claro que há o fato do Carlos Saldanha — agora não mais diretor e apenas produtor executivo — ser brasileiro e estar em alta no mundo da animação, colaborando para que o filme tenha um bom mercado por aqui. Já anunciando novas animações, o longa é acompanhado por uma curta-metragem divertido dos Simpsons, mais precisamente do primeiro dia de aula da pequena Maggie, o que indica que talvez venha outro longa por aí.

E falando na saída de Saldanha da direção, talvez este seja um dos pontos importantes dessa sequência ser tão mediana. A qualidade técnica continua com o selo dos estúdios Blue Sky que deram origem à bem sucedida franquia. Apesar de A Era do Gelo 4 demonstrar enfraquecimento na saga dos animais, é um longa agradável e uma boa opção de diversão mas vamos torcer que venham novas sagas animadas, com novos personagens, por aí.

Trailer:


Todas as informações e opiniões publicadas no interrogAção não representam necessariamente a opinião do portal, e são de total responsabilidade dos seus respectivos autores.
 
Este post foi publicado emCinema, Críticas e tags , , , , , , , , . Bookmark o permalink. Comentar ou deixar um trackback:Trackback URL.


Comentários

  1. Gostei muito do filme, envolvente do início ao fim com belas imagens e perfeição na edição gráfica dos personagens!
    Realmente perdeu um pouco da essencia dos filmes anteriores, buscaram inovar algumas cenas com dramas familiares e conflitos diretos, não sei se isso se deve ao fato de não termos o brasileiro Carlos Saldanha como diretor do Filme, apenas como produtor executivo. Mesmo assim o filme está ótimo, com varias cenas de Ação e aventura, que envolvem toda a familia, principalmente a criançada que adoraram a velha preguiça!
    Pecaram em mudar a dublagem da Ellie e dos gambás Crash e Eddie, para quem estava acostumado com as vozes ficou estranho.
    Com certeza este não será o fim do longa, podemos aguardar a continuação desta aventura. Adorei a cena do Diego e da Shira lutando, e no final, quando o Manny luta com o Cap. Entranha.
    Poderiam adicionar o personagem Buck do 3º filme!
    Filme recomendadíssimo para todas as idades, não percam!

Dossiê Daniel Piza
Spirallab