Mundo Fantasma, de Daniel Clowes

Considerada uma das HQ’s mais aclamadas dos quadrinhos alternativos norte-americanos, Mundo Fantasma (Ghost World, Gal Editora, 2011), criada em 1989 pelo quadrinista Daniel Clowes, representa de forma hilária e melancólica as adversidades da adolescência.

As amigas Enid e Rebecca, recém saídas do colegial, são duas adolescentes complexas que possuem uma maneira bem particular de ver o mundo. Entre personagens esquizofrênicos como o ex-padre pedófilo, o casal de satanistas que adora comprar comida instantânea para crianças e o astrólogo e médium Bob Skeets, as duas fazem observações perspicazes a respeito das pessoas com quem convivem, enquanto tentam adaptar-se à sua falta de prática de viver em meio à sociedade.

Os diálogos desta HQ possuem um potencial incrível de sarcasmo e irreverência, pois ambas as protagonistas, em especial Enid, criticam a tudo e a todos de maneira cruel mais ao mesmo tempo cômica, expressando sem rodeios, as suas opiniões. As referências que Enid usa em seus diálogos com personagens e episódios de seriados da década de 60/70 como Mod Squad e Os monstros, além das letras de música para pontuar alguns momentos da narrativa, como o punk rock do Ramones (músicas que são traduzidas ao final do livro), são alguns elementos que tornam Mundo Fantasma uma HQ tão envolvente que é capaz de mudar a nossa percepção sobre algumas situações cotidianas que vivemos.

A diferença entre as duas, é que enquanto Enid, com suas trocas repentinas de visual, pensa em se mudar de sua cidade e viver de uma outra maneira, Becky só quer continuar com sua mesma condição, sem muitas expectativas, isso acaba por contribuir para o inevitável distanciamento das amigas, que parecem estar se tornando mais “maduras”.

Os oito capítulos da obra que depois de reunidos em um único volume em 1997, resultaram na HQ independente Mundo Fantasma, relatam episódios comuns da vida adolescente como a narração da primeira vez de Enid com um hippie sério do último ano do colégio e a escolha dela pela falta de opções de um partido com um bom gosto musical, Pelo menos ele não escutava Grateful Dead!. Diferente das grandes histórias de super heróis, em todos os capítulos Daniel Clowes relata com detalhes os conflitos e complexidades da vida real e desa fase cheia de insegurança.

Depois dos inúmeros prêmios que levou, Mundo Fantasma foi adaptada também para o cinema em Ghost World – Aprendendo a Viver (2001) pelo cineasta Terry Zwigoff, com roteiro próprio de Daniel Clowes. Apesar de algumas mudanças da história original, como de alguns personagens, a atuação de Thora Birch e Scarlett Johansson é brilhante, além de contar com uma ótima trilha sonora.

Mundo Fantasma foi escolhido como um dos dez melhores álbuns em quadrinhos de todos os tempos pela Revista Time, sendo finalmente lançado no Brasil ano passado pela Gal Editora. Um quadrinho realista rico em cinismo e inteligência que merece ser lido e relido. Como descreve o comentário presente na biografia do autor ao final da obra, Mundo Fantasma é uma prova de que Daniel Clowes não é só um velho pervertido.

Booktrailer do quadrinho:


Todas as informações e opiniões publicadas no interrogAção não representam necessariamente a opinião do portal, e são de total responsabilidade dos seus respectivos autores.
 
Este post foi publicado emHQs, Resenhas e tags , , , , , , , , , , . Bookmark o permalink. Comentar ou deixar um trackback:Trackback URL.


Spirallab