Fábulas Vol. 1 – Lendas no Exílio, de Bill Willingham, Lan Medina e Steve Leialoha

Os contos de fada estão em alta. As famosas histórias criadas originalmente pelos Irmãos Grimm, tão aclamadas na infância, têm inspirado bastante autores e diretores de cinema. Só este ano, dois filmes influenciados no conto Branca de Neve e os Sete Anões chegaram às telonas. O primeiro Espelho, Espelho Meu (Mirror, Mirror), estrelado por Lily Collins (filha de Phill Collins) e o mais recente Branca de Neve e o Caçador (Snow White and the Huntsman), com o belo papel desempenhado por Charlize Theron como Rainha Má. Apesar das adaptações feitas aos roteiros e personagens fugirem um pouco dos contos tradicionais, a ideia dos ambientes e a trama principal continuam os mesmos. A série Once Upon a Time, famosa nos Estados Unidos, também reúne os personagens dos contos de fada, e apesar de distorcer um pouco a história original, pois os personagens vivem na cidade e não se lembram quem realmente são, eles ainda passam pelos mesmos problemas e estimam pelos mesmos sonhos, serem felizes e encontrarem o seu verdadeiro amor. É aí que a HQ Fábulas (Devir, 2004), apresenta o seu diferencial. Nela não existe mais o mesmo felizes para sempre.

Em Fábulas Vol. 1 – Lendas no Exílio, com roteiro de Bill Willingham e arte de Lan Medina e Steve Leialoha, após a invasão de um adversário enigmático de seu povo em sua terra natal, os personagens foram exilados e passaram a viver na cidade de Nova York, ao lado dos humanos, ou “mundanos como são comumente chamados. Branca de Neve agora não mais vive para amar e dedicar-se ao seu príncipe, mas sim como uma vice-prefeita intolerante, divorciada e que não pode nem sequer ouvir falar nos sete anões. O Lobo Mau (Bigby Lobo), aquele da Chapeuzinho Vermelho, não é mais governado pela sua barriga e sim pela sua mente. Como xerife da cidade, a sua principal ‘refe’ição é deliciar-se ao desvendar os mistérios que rondam os crimes da cidade das Fábulas. O príncipe encantado, que aliás é o mesmo para todas as princesas, é um narcisista aproveitador, que possui um reinado sem valor no mundo em que vive agora. Cada personagem apresenta uma personalidade única e distorcida dos contos originais, o que contribuiu enormemente para fazer de Fábulas um quadrinho que conta algo antigo, de forma totalmente inovadora.

Um dos pontos fortes da originalidade de Fábulas é a complexidade dos problemas vividos pelos personagens. A dificuldade agora não é mais de a princesa conseguir viver feliz para sempre ao lado de seu príncipe enquanto a rainha má paga pelas suas maldades. O que era trágico vira cômico. Devido aos problemas cotidianos e financeiros de um casal que perdeu sua fortuna, Fera não consegue controlar a maldição que torna a sua aparência ferina, principalmente com o mau humor e reclamações de sua esposa Bela. Ou o Pinóquio que fica revoltado com a fada que o transformou em um menino de verdade, mas que nunca chega à puberdade.

Neste primeiro volume de Fábulas, a história principal se passa no desaparecimento de Rosa Vermelha, irmã de Branca de Neve. O clima de investigação de romance policial da trama, semelhante a quadrinhos como Júlia Kendall: As Aventuras de uma Criminóloga envolve o leitor do início ao fim, com diálogos excelentes ricos em ironia e franqueza. Bill Willingham obtém sucesso ao transformar os clássicos personagens antes inatingíveis, em pessoas quase comuns que apenas procuram viver suas vidas, tentando não revelar sua aparência mágica ao mundo humano. No desenrolar da trama, o autor apresenta assuntos que você dificilmente pensaria em ver entre os mocinhos dos contos de fada, como traição, sexualidade e por aí afora.

As 132 páginas de Fábulas têm ilustrações fantásticas, com teor mais realista e atual, mas que em alguns momentos são intercaladas com desenhos de personagens recontando histórias antigas, com aquele ar dos contos mais clássicos. Ao final da história, também há um conto ilustrado pelo próprio roteirista Bill Willingham chamado Um lobo entre cordeiros, que revela detalhadamente como o lobo obteve sua forma humana.

Publicados pela Panini Comics, os volumes no Brasil encontram-se na 11º edição. Para quem gosta de boas histórias com um quê de fantasia, Fábulas é uma ótima opção.


Todas as informações e opiniões publicadas no interrogAção não representam necessariamente a opinião do portal, e são de total responsabilidade dos seus respectivos autores.
 
Este post foi publicado emLiteratura, Literatura Estrangeira, Livros e tags , , , , , , , , , . Bookmark o permalink. Comentar ou deixar um trackback:Trackback URL.


Dossiê Daniel Piza
Spirallab