Crítica: TED

Quando criança, John (Mark Wahlberg) não tinha muitos amigos e se sentia um estranho em relação às outras crianças, até que no Natal de 1985 ele ganha no Natal o clássico ursinho Teddy. Quantas crianças não tiveram um desses nessa época? Mas com John foi diferente, numa noite ele faz um pedido para que seu novo amigo fosse um “amigo de verdade” e Ted simplesmente ganha vida. Com uma introdução narrada em tom de fábula, a comédia de humor negro Ted (Ted, EUA, 2012), dirigida por Seth MacFarlane, conta a história desse menino e seu urso, que acabam crescendo juntos. Mas aos 35 anos, John se vê em um dilema, enquanto seu ursinho gosta de levar uma vida boêmia e desregrada, cheia de drogas e álcool, sua namorada Lori (Mila Kunis), deseja um relacionamento mais adulto e sério com ele, sem a má influência do seu amiguinho nada comum.

Ted é uma típica comédia americana, só que feita para agradar principalmente a geração dos anos 80, cujas piadas vão fazer mais sentido, e os fãs de humor nada politicamente correto. O diretor Seth MacFarlane é mais conhecido por ter criado as séries animadas Family Guy e American Dad, que satirizam a fundo a cultura americana. Neste seu primeiro longa, Seth também faz a dublagen do ursinho Ted, inclusive fazendo uma brincadeira no meio do filme sobre sua voz ser igual a do Peter Griffin, personagem principal do Family Guy, que também é dublado por ele.

É quase impossível não gargalhar com a chuva de clichês lançados pelos diálogos entre John e Ted, que mantém vivos muitos dos seus gostos de criança. O longa é repleto de referências sendo atiradas por todos os lados, onde nada passa impune pela boca nada-politicamente-correta do pequeno Ted, que em certo momento brinca que quando famoso fora confundido com o Alf – o E.Teimoso, além de citar Star Wars, Top Gun e claro, Flash Gordon, o grande vício dos dois personagens. Além disso, o filme segue o mesmo estilo de Family Guy, onde os personagens vai e vem interagem com celebridades do mundo real, parecido com o que também acontece nos filmes do Sacha Baron Cohen (O Ditador, Bruno e Borat), seguindo inclusive o mesmo humor ácido.

O longa acabou virando meme nas redes sociais por conta do deputado Protógenes Queiroz ter se queixado no twitter dizendo que levou seu filho de 11 anos ao cinema e ter assistido a uma infâmia. Apesar de ter um urso fofo como um dos protagonistas, não há engano de que o filme não é para crianças, o trailer e o cartaz veiculado do mesmo deixa isso bem claro. Mas mesmo assim, casos parecidos ainda se repetiram várias vezes. Ver a classificação indicativa parece que anda meio em falta…

Ted é imperdível para quem adora se divertir com piadas de humor negro e está cansado de filmes bonitinhos e politicamente corretos. E o nível de diversão aumenta ainda mais se você também acompanhou séries como Flash Gordon e passou uma infância agitada nos anos 80.

Confira o trailer de Ted abaixo:


Todas as informações e opiniões publicadas no interrogAção não representam necessariamente a opinião do portal, e são de total responsabilidade dos seus respectivos autores.
 
Este post foi publicado emCinema, Críticas e tags , , , , , , , , . Bookmark o permalink. Comentar ou deixar um trackback:Trackback URL.


Comentar

Seu email nunca será publicado ou distribuído. Campos obrigatórios estão marcados com *

*
*

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Dossiê Daniel Piza
Spirallab