A Origem dos Guardiões | Crítica

Na época de fim de ano sempre começam a pipocar no cinema filmes infantis com temas natalinos, focando-se principalmente na figura do Papai Noel e suas aventuras para entregar os presentes e trazer alegria para as crianças. No último Natal, a DreamWorks decidiu fazer algo um pouco diferente do usual e lançou a animação A Origem dos Guardiões (Rise of the Guardians, EUA, 2012), dirigido pelo estreante Peter Ramsey, onde não só temos o bom velhinho todo tatuado e com um sotaque russo, mas também todo um grupo de outros personagens lendários como a Fada do Dentes, o Coelho da Páscoa, Sandman, Jack Frost e o Bicho-Papão.

Aqui no Brasil algumas pessoas já devem ter ouvido falar de Sandman através do seu nome popular de João Pestana ou, para quem curte quadrinhos, da série homônima do autor Neil Gaiman. Mas o grande desconhecido, que aliás é o personagem principal do filme, é Jack Frost, a personificação e o espírito do frio e do inverno, responsável pela neve e por aqueles cristais de gelo em vidros. Bem, acho que não precisa explicar o porque dele não ser conhecido por aqui. Todos esses personagens foram baseados na versão americana das lendas, havendo uma pequena homenagem à lenda espanhola do Ratoncito Pérez (ou Tooth Mouse), onde um dos guardiões atrapalha sem querer o trabalho do pequeno ratinho, que é muito parecido com a Fada do Dentes.

A história da animação gira em torno dos quatro Guardiões (Papai Noel, Fada do Dentes, Coelho da Páscoa e Sandman) que precisam combater um velho inimigo, o Bicho-Papão, que deseja novamente ‘controlar o mundo’ através do medo, e para isso irão precisar se reunir e pedir a ajuda do Jack, um personagem que só se interessa em brincar e se divertir. Adicione agora algumas armas, como espadas, bumerangues e ovos explosivos, ótimas cenas de ação com lutas espetaculares cheias de poderes mágicos. O estilo lembrou algum filme lançado recentemente? Poderia brincar-se que A Origem dos Guardiões é praticamente um Os Vingadores Júnior ou até, porque não, um X-Men Kids, onde esses personagens seriam os primeiros super-heróis que uma criança tem contato.

Deixando de lado toda essa visão inusitada de guerreiros cuja missão é proteger as crianças, o filme possui uma qualidade ténica incrível, a DreamWorks já havia mostrado isso no ótimo Como Treinar o Seu Dragão, e também traz algumas respostas interessantes a perguntas como: quem (realmente) produz os presentes do Papai Noel? Por que a fada dos dentes coleta os dentes? Como os ovos de páscoa são feitos?

A Origem dos Guardiões é uma ótima surpresa não só pela renovação dos já tão batidos personagens infantis, mas como também um lembrete para que a chama da imaginação das crianças não seja apagada, principalmente nos adultos. O filme foi baseado na série de livros The Guardians of Childhood do autor americano William Joyce, e foi produzida por Guillermo del Toro (Hellboy, O Labirinto do Fauno, …), que deu uma entrevista bem interessante sobre o filme no site do G1.

Ah, não confunda o filme com A Lenda dos Guardiões, outra ótima animação dirigida por Zack Snyder (Watchmen e 300), sobre a história da jovem coruja Sorem que é fascinada pelas histórias sobre os Guardiões de Ga’Hoole e acaba embarcando em uma aventura para salvar o seu povo, em um enredo bastante adulto com épicas batalhas.

Trailer:


Todas as informações e opiniões publicadas no interrogAção não representam necessariamente a opinião do portal, e são de total responsabilidade dos seus respectivos autores.
 
Este post foi publicado emCinema, Críticas e tags , , , , , , , , . Bookmark o permalink. Comentar ou deixar um trackback:Trackback URL.


Comentar

Seu email nunca será publicado ou distribuído. Campos obrigatórios estão marcados com *

*
*

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Dossiê Daniel Piza
Spirallab