O Grande Ditador (1940), de Charles Chaplin

o grande ditador

Em 1940 a Segun­da Guer­ra Mundi­al esta­va há 5 anos de ofi­cial­mente ter­mi­nar. Nesse ano o cineas­ta Char­lie Chap­lin lança­va O Grande Dita­dor (The Great Dic­ta­tor, USA, 1940), com um dos roteiros mais ousa­do, engraça­do e com forte críti­ca social sobre esse momen­to que real­mente mar­cou a história do cin­e­ma.

Logo nos crédi­tos ini­ci­ais de O Grande Dita­dor somos avisa­dos que a semel­hança entre os per­son­agens do filme com a real­i­dade é uma mera coi­cidên­cia, o que sabe­mos não ser ver­dade. Chap­lin apre­sen­ta dois per­son­agens fisi­ca­mente idên­ti­cos, mas em situ­ações opostas. Ade­noid Hynkel é o grande dita­dor da Tomâ­nia, uma nação que afun­da­da numa crise pas­sa a crer em coisas como grandes líderes e raças supe­ri­ores. Já o out­ro, o inti­t­u­la­do bar­beiro de judeus (Car­l­i­tos), é o típi­co desajeita­do que perdeu a memória na guer­ra e não entende o que está acon­te­cen­do em Tomâ­nia e mais pre­cisa­mente no gue­to em que vive.

O enre­do de O Grande Dita­dor é incrív­el, trazen­do o para­lelis­mo da vida dos dois per­son­agens, ambos inter­pre­ta­dos por Chap­lin, que fun­cionam como car­i­catos cômi­cos das fig­uras cen­trais da época. Hynkel e o Bar­beiro nun­ca se encon­tram, mas suas vidas estão interli­gadas, pois a vida de um sem­pre aca­ba estando em jogo com as decisões do out­ro.

Nas primeiras cenas vemos o per­son­agem de Car­l­i­tos em meio a guer­ra, sem­pre per­di­do com cenas cômi­cas do front. Chap­lin deixa claro a banal­iza­ção com a seriedade da guer­ra e o mal uso das supos­tos poderes béli­cos. Logo isso fica ain­da mais níti­do com as cenas de dis­cussão, sobre acor­dos de “paz”, entre Hynkel e o nar­ci­sista Ben­zi­no Napaloni, dita­dor de Bac­téria, uma clara refer­ên­cia entre a relação de Hitler com Ben­i­to Mus­soli­ni da Itália.

O Grande Dita­dor é cheio de cenas que reme­tem às situ­ações de ten­são que a Segun­da Guer­ra Mundi­al causa­va e, Chap­lin fez dis­so uma pelícu­la em que tudo parece mais cômi­co se vis­to desse ângu­lo inocente que a comé­dia traz. Para reforçar os gestos car­i­catos dos dois per­son­agens prin­ci­pais o dire­tor abusa das cenas lon­gas, e um pouco exager­adas, como os dis­cur­sos fer­vorosos de Hynkel numa lín­gua incom­preesív­el. O filme foi o primeiro do dire­tor usan­do o som das vozes. Chap­lin acred­i­ta­va que o som iria mudar o expres­sion­i­mo do cin­e­ma, o tor­nan­do mais banal.

Na fil­mo­grafia do dire­tor havia o clás­si­co Tem­pos Mod­er­nos, de 1936, que já o mostra­va como pai das sáti­ras soci­ais. Dizen­do que a vida era uma comé­dia se vista de per­to, fez de seus filmes obras de arte, sem nen­hum tipo de gra­tu­idade, e muito rep­re­sen­tan­ti­vas sobre os fatos que estavam mudan­do o cur­so da humanidade. E mes­mo com toda essa “lev­eza” Chap­lin foi exi­la­do dos EUA, por con­ta desse filme.

O Grande Dita­dor é um clás­si­co pela cria­tivi­dade e ousa­dia do dire­tor. Em um perío­do em que as artes pisavam em ovos e o cin­e­ma era lim­i­ta­do pelo cin­e­ma-pro­pa­gan­da-total­itário, ele produziu/dirigiu/atuou em um filme que até hoje parece ousa­do demais, porém com a sub­je­tivi­dade sufi­cien­te­mente sen­sív­el para a época.

Enquan­to, nes­ta época, muitos filmes, livros e obras amer­i­canos prefe­ri­am vis­ar ape­nas o entreten­i­men­to, O Grande Dita­dor é mar­ca­do pela críti­ca social e fal­ta de sen­ti­do do futuro. A arte da época foi mar­ca­da pelas car­i­cat­uras do que pode­ria vir a ser o futuro, como fica claro em out­ras obras do dire­tor e em obras literárias visionárias que retratam o total­i­taris­mo como 1984, de George Orwell.

Out­ra críti­cas inter­es­santes:

Trail­er:


Todas as informações e opiniões publicadas no interrogAção não representam necessariamente a opinião do portal, e são de total responsabilidade dos seus respectivos autores.
 
Este post foi publicado emCinema, Cinema Clássico e tags , , , , , , . Bookmark o permalink. Comentar ou deixar um trackback:Trackback URL.


Spirallab