Café Literário: João Gabriel de Lima e Paulo Camargo

Há muito se dis­cute sobre como faz­er um Jor­nal­is­mo Cul­tur­al sério no Brasil. E pen­san­do em todas essas difi­cul­dades e na real­i­dade cul­tur­al do país foi que João Gabriel de Lima e Paulo Camar­go dis­cu­ti­ram o tema Lit­er­atu­ra e Leitor na Impren­sa, no dia 10 de out­ubro, no Café Literário da Bien­al do Livro Paraná 2010.

João Gabriel de Lima é jor­nal­ista edi­tor-chefe da redação da Revista Bra­vo! e, Paulo Camar­go é edi­tor do Cader­no G do jor­nal paranaense Gaze­ta do Povo. Ambos os palestrantes tem uma vas­ta exper­iên­cia na área de mídias cul­tur­ais e cal­caram a dis­cussão com a mescla de exper­iên­cias que pos­suem no mer­ca­do edi­to­r­i­al e no setor nacional. Tam­bém apon­taram as pos­síveis alter­na­ti­vas de fomen­tar o atu­al cenário do Jor­nal­is­mo Cul­tur­al.

O paulista edi­tor da Bra­vo! ini­ciou o debate lem­bran­do da for­ma em que o Jor­nal­is­mo Cul­tur­al é trata­do em out­ros país­es, como os Esta­dos Unidos e a Inglater­ra. Os suple­men­tos cul­tur­ais dess­es país­es focam as matérias no leitor, com uma lin­guagem mais colo­quial sem muitos ter­mos téc­ni­cos. João lem­bra tam­bém que a impren­sa cul­tur­al ain­da lida com a her­ança da tradição beletrista, como se o leitor fos­se obri­ga­do a ser um ¨ini­ci­a­do¨ e reduzi­do a um pequeno grupo de int­elec­tu­ais.

Já o paranaense edi­tor do Cader­no G reforça a fala de João, ressaltan­do que a cada ano que pas­sa a lit­er­atu­ra de entreten­i­men­to vai se tor­nan­do mais pre­sente. Tam­bém existe sim uma neces­si­dade de se tra­bal­har com o mar­ket­ing que os best-sell­ers trazem, mas que isso tam­bém afas­ta o leitor do restante pro­duzi­do. Para Paulo Camar­go o livro deve se tornar triv­ial de tão cotid­i­ano, lem­bran­do inclu­sive que o hábito de leitu­ra é de pos­sív­el apli­cação no nos­so país, não pre­cisan­do ir muito longe para se obter um exem­p­lo, bas­ta obser­var­mos as políti­cas apli­cadas para ela na Argenti­na, onde o livro é peça fun­da­men­tal de con­sumo.

Na dis­cussão surgiu a pau­ta sobre a pos­si­bil­i­dade de o jor­nal­is­mo cul­tur­al ser um bom medi­ador para a for­mação de leitores e quan­to a isso, não hou­ve dúvi­das. Com o enorme número de infor­mações cir­cu­lan­do é quase impos­sív­el que o leitor não se influ­en­cie por meios mais especí­fi­cos, como muitas revis­tas, suple­men­tos e sites, que acabam se tor­nan­do enorme refer­ên­cia em pesquisas. Por­tan­to, surge tam­bém a neces­si­dade da impren­sa repen­sar quais ati­tudes tomar para for­mar e chamar a atenção dess­es leitores.

Os palestrantes tam­bém dis­cu­ti­ram sobre o que o leitor espera quan­do abre um suple­men­to cul­tur­al, revista e site sobre cul­tura. Hoje, o profis­sion­al que tra­bal­ha com jor­nal­is­mo cul­tur­al deve estar aten­to as novas mídias, sem­pre fazen­do a manutenção da sua bagagem cul­tur­al e, ain­da, estar apto para saber difer­en­ciar qual mate­r­i­al vai para a inter­net e qual será impres­so. Pois ambos os meios são com­ple­mentares e não exclu­dentes entre si ‚afir­ma João Gabriel de Lima. O edi­tor Paulo Camar­go tam­bém acred­i­ta que o leitor quer sim ler mais, ter aces­so a entre­vis­tas e matérias mais focadas em assun­tos especí­fi­cos, e aci­ma de tudo, sente neces­si­dade de ser sur­preen­di­do.

Foi destaque tam­bém a afir­mação de João Gabriel de Lima dizen­do que o jor­nal­ista dev­e­ria se sen­tir cul­pa­do por não dis­sem­i­nar mais a cul­tura e que há uma infinidade de opções para que este tra­bal­he em favor dela, a tor­nan­do mais acessív­el a todos. Assim como da importân­cia da pro­lif­er­ação de feiras que vem surgin­do, para que o livro se torne mais pre­sente na vida do leitor.

O Café Literário: Lit­er­atu­ra e Leitor na Impren­sa foi de extrema relevân­cia para a reflexão sobre o espaço dado à cul­tura na impren­sa se focan­do na ideia de que é ela a for­mado­ra de leitores e espec­ta­dores. Assim como, tam­bém trouxe a reflexão sobre o profis­sion­al de Jor­nal­is­mo Cul­tur­al, com a per­gun­ta: afi­nal o que é real­mente feito para que a cul­tura seja pre­sentes na vida de todos, em um país como o Brasil?

O inter­ro­gAção gravou em áudio todo esse bate-papo e se você quis­er pode escu­tar aqui pelo site, logo abaixo, ou baixar para o sue com­puta­dor e ouvir onde preferir.

Ouça a palestra com­ple­ta: (clique no link abaixo para ouvir ou faça o down­load)

Café Literário: João Gabriel de Lima e Paulo Camar­go


Todas as informações e opiniões publicadas no interrogAção não representam necessariamente a opinião do portal, e são de total responsabilidade dos seus respectivos autores.
 
Este post foi publicado emBienal do Livro Paraná 2010, Café Literário e tags , , , , , , , , , , , , , , , , , . Bookmark o permalink. Comentar ou deixar um trackback:Trackback URL.


Spirallab