O Natal do Burrinho (1984), de Otto Guerra | Curta

Animação retoma “magia natalina”

natal-burrinho-otto-guerra-curta-1

O mês de dezembro dá às caras trazendo em sua costumeira bagagem a época do ano em que histórias de amor, redenção e misericórdia pipocam por todos os lados. Ninguém consegue ficar imune – e duvido que, depois da capitalização do nascimento de Jesus Cristo, alguém tenha conseguido. Em meados de 1843, o escritor inglês Charles Dickens apresenta a jornada espiritual do avarento Ebenezer Scrooge em “Um Conto de Natal” (original “A Christmas Carol”). O conto foi sucesso instantâneo e eternizou a mágica transformação pessoal de um sujeito desprezível – mudança auxiliada diretamente pelos encantos natalinos. É também fruto do mês de dezembro a comovente história da “Pequena Vendedora de Fósforos”, escrita pelo conhecido Hans Christian Andersen. O conto narra a desventura de uma pobre menina que padece de frio, fome e solidão, enquanto o mundo terreno se refestela nas ceias de passagem do ano. A história serve para lembrar homens e mulheres da falta de empatia, solidariedade e caridade, princípios básicos do Natal. No universo artístico, muitos são os exemplos de odes natalinas, incluindo pinturas (a exemplo das obras de Di Cavalcanti, Anitta Malfatti, Goya, Rembrandt, Benjamin West) e músicas (como o CD “25 de dezembro“, da cantora brasileira Simone, que toca em looping eterno por todo o país).

Até mesmo esta coluna cultural foi arrebatada pelo “espírito de natal” ao adiar as impressões sobre um curta-metragem com temática de suspense/terror psicológico para falar da animação “O Natal do Burrinho“, produzida há 31 anos atrás pelo diretor gaúcho Otto Guerra e com co-direção de José Maia e Lancast Mota.

Otto Guerra (Foto: Maurício Capelarri)

Otto Guerra (Foto: Maurício Capelarri)

São rápidos cinco minutos para acompanhar a triste história de um burrinho solitário que vaga por terras desérticas. Logo nos primeiros segundos, uma melancólica trilha sonora acompanha a sorumbática caminhada do burrinho noite adentro. O animal guarda certa semelhança com Bisonho, personagem da turma do Ursinho Puff cujas feições cansadas parecem revelar torpor e um “ânimo exausto” – por mais que essa afirmativa soe uma contradição em termos.

Sozinho, o burrinho bebe água, chora no lago e dorme embaixo de uma árvore. A vida seguiria seu curso depressivo se não fosse por uma família que aparece no meio do deserto. Pai, mãe e bebê chamam a atenção do burro, que decide seguí-los e ajudá-los. Os rostos dessas pessoas não são visíveis, mas é possível distinguir os traços de José, Maria e Jesus em sua fuga para o Egito. Esse episódio é amplamente ilustrado nas artes e pode ser inferido no curta-metragem tanto pela indumentária das personagens quanto pela passagem de soldados romanos – representados pelos seus olhos raivosos e pelo estandarte com o acrônimo SPQR, frase latina que pode ser traduzida como “O Senado e o Povo Romano”.

Pintura "The Nativity of Christ", de Vladimir Borovikovsky

Pintura “The Nativity of Christ”, de Vladimir Borovikovsky

Depois de enfrentar longas distâncias, tempestades de areia e frio, a família e o burrinho conseguem chegar ao destino final. Esse acontecimento transforma a vida do animal, lançando-o para o encantamento dos finais felizes. No entanto, Otto Guerra nos surpreende com um desfecho inusitado que, em um átimo de segundo, levanta outro ponto importante: o quanto as “mudanças mágicas” são verdadeiras? Elas existem ou são objetos da necessidade ficcional, tão comum em épocas de fim de ciclo? A presença do burrinho soa como uma fábula disfarçada ou sem intenção. Mas está lá, oculta.

natal-burrinho-otto-guerra-curta-2

O Natal do Burrinho foi selecionado para os festivais de Bilbao (Espanha) e Oberhausen (Alemanha). Também conquistou o prêmio de melhor curta gaúcho no Festival de Gramado de 1984. Em uma época em que o estímulo à produção e circulação de obras nacionais não provocava inveja a ninguém, esbarrando na falta de incentivo, interesse e espaço – fato que, apesar de notáveis melhorias, permanece até hoje -, Otto Guerra e sua equipe apostaram na animação. Se a crença em fábulas for capaz de mudar a concepção dos financiadores e do público do cinema nacional, cabe uma dica: a história “O Cavalo e o Burro“, de Monteiro Lobato.

Assista ao curta completo abaixo:


Todas as informações e opiniões publicadas no interrogAção não representam necessariamente a opinião do portal, e são de total responsabilidade dos seus respectivos autores.
 
Este post foi publicado emCurta do Mês e tags , , , , , . Bookmark o permalink. Comentar ou deixar um trackback:Trackback URL.


Spirallab